Tecnologias utilizadas pelos DJs

Basicamente, existem 6 tecnologias utilizadas pelos DJs para arrepiarem nas baladas:

1) Set com 2 Pickups (Toca-discos com pitch) e Mixer:

Tudo começou com um par de toca-discos com pitch e um mixer... praticamente todos os grandes DJs começaram com esta tecnologia. Alguns preferem utilizá-las até hoje. Ultrapassado? Conservadorismo? Nem tanto... DJs profissionais sabem que por mais que a tecnologia avançe, simplesmente não existe nada que se compare à precisão de uma pickup Techinics MKII na hora de fazer um scratch... uma outra vantagem é que o som do disco de Vinyl é simplesmente MUITO superior aos CDs e aos MP3... duvida? Experimente tocar uma música em vynil e depois compará-la com a mesma música em formato mp3 ou num CD... você verá que os graves são absurdamente mais acentuados. Por que isso? Simples... quando o CD ou o mp3 é gravado, certas faixas de frequência são comprimidas e omitidas no resultado final... dessas faixas de frequências, as que mais se percebe diferenças são as graves (batidas, baixo, etc).

Não confunda ausência de estalos por causa do contato da agulha com sujeira ou arranhões nos discos ou ainda pelo contato normal da agulha com qualidade de som.

Para quem gosta deste set, as desvantagens são:

a- Necessidade de se carregar uma quantidade absurda (e um peso absurdo também) de discos que podem arranhar ou empenar.
b- Dificuldade de se achar lançamentos de músicas em Vynil.
c- Preço do Vynil.
d- É anti-ecológico porque gera resíduos (Discos antigos que queremos jogar fora).
e- Com o tempo é necessário realizar manutenção nos equipamentos, em especial no pitch (que por causa de sujeira ou desgaste começa a ficar impreciso) e nas correias da pickup.

2) Set com 2 CDJs (CDs com pitch) e Mixer:

Com a evolução da tecnologia surgem os CDs e os discos de Vynil são praticamente abandonados pela indústria musical. Em função desse panorama, surgem os CDJs que são basicamente CDs players com recursos voltados para mixagem como: Pith, prato para scratch, recursos de loop, etc).

Os CDJs mais modernos aceitam formatos de mp3 e Wave, entre outros. A maior vantagem deste set é que podemos fazer downloads das músicas na Internet e gravar os CDs em formato de áudio ou mp3 para utilizar nos equipamentos.

As desvantagens são:

a- Com o tempo, os leitores óticos estragam.
b- Não é tão preciso para fazer mixagem quanto os toca-discos.
c- Os CDJs mais precisos são bastante caros.
d- Não tem a mesma qualidade de som que o Vynil.
e- Assim como o vynil, gera resíduos.

3) Set com 2 Pickups ou 2 CDJs, Mixer, Timecode e Computador:

Esta tecnologia criou um meio-termo entre o "jeito clássico" de mixar com o mais tecnológico. Basicamente, o timecode é um disco de vynil ou CD que emite uma frequência através da interface usb para o computador que controla um software específico para DJs (como o Traktor Scratch, Virtual DJ Vinyl, Serato Scratch Live ou o Torque Control Vinyl). Com isso, quando você dá o play, o software toca a música pré-selecionada... quando dá pausa no toca-discos, a música pára. Controles como pitch e técnicas de scratch também são simuladas. Na prática, você consegue "tocar mp3" no toca-discos.

A interface que conecta os toca-discos ao computador enviando o sinal codificado para o software também devolve o resultado (a música controlada pelo programa) para o mixer que envia para o amplificador, normalmente.

Também é possível utilizar CDJs com um CD codificado no lugar dos toca-discos (embora eu nunca tenha entendido o porquê alguém faria isso).

A maior vantagem desta tecnologia é poder utilizar novos recursos com o set de mixagem que você já tinha...

Outra vantagem é poder utilizar samplers e efeitos existente nesses programas para incrementar suas mixagens.


Desvantagens:

a- Apesar do maior precisão na execução das mixagens, existe um delay entre o sinal codificado e o software e entre o software e a música que depende muito do conjunto processador + memória do computador utilizado.
b- Você fica "na pista" se o computador travar.
c- A qualidade de som não é tão boa quanto o Vinyl.
d- É provavelmente um dos sets mais caros de se utilizar pois utiliza pickups ou CDJs, mixer, interface e computador... somando tudo isso, podemos facilmente chegar a valores próximos de R$ 9.000,00.
e- É mais ecológico do que os dos primeiros sets pois você utiliza apenas dois discos (Vinyl ou CD) para controlar todas as músicas.
f- Alguns dos controles do sofware necessitam de utilização com o mouse o que atrapalha a velocidade na execução de algumas tarefas, ao menos que você tenha uma controlaora midi para executar o serviço.

4) Controladora Midi e Computador:

Controladoras são equipamentos MIDI que controlam algum software específico para DJs. A grosso modo, funciona como um joystick, você aperta um botão, e na tela do computador você vê o resultado. Na tela e nas caixas de som.

As controladoras geralmente são divididas nas seguintes partes:

a- Decks A e B que controlam os decks virtuais que simulam os toca-discos ou CDJs. Estes controles possuem vários recursos como loops, cue, disco de scratch e sync).
b- Mixer
c- Área de efeitos
d- Área para controle de sampler

A maior vantagem desta tecnologia é que ela despensa outros equipamentos para executar mixagens. Existem várias controladoras boas no mercado desde as mais baratas como a ótima Behringer BCD3000 e Hercules (na faixa dos R$ 600,00) até outras mais "profissionais" como a Torq Xponent (Na faixa de R$ 2.000,00) e a caríssima Numark NS7 que custa mais de R$ 9.000,00.

Cada controladora possui caraterísticas próprias e recursos que aumentam a precisão das mixagens e possuem quantidades diferentes de controles que executam tarefas no software de mixagem.

Uma coisa legal desta tecnologia é que ela não gera resíduos.

As desvantagens são:

a. Não é tão precisa nem possui tanta qualidade de som quanto o Vinyl
b. Se o computador travar a festa pára.
c. Existe um delay entre a controladora e o computador que depende dos recursos de hardware para ser minimizada.


5) Controladora para Ipod:

Uma das mais atraentes tecnologias sem dúvida são as controladoras para Ipod que dispensam a utilização do computador. As mixagens são realizadas diretamente em jobs no Ipod e contam com praticamente todos os recursos dos CDJs e vários recursos das controladoras midi. Alguns exemplos desta tecnologia são a Numark IDJ2 e o Ipod Torq.

O legal dessa tecnologia é que não fica à mercê do bom funcionamento do computador nem gera resíduos.

As desvantagens são:

a. Precisão dos controles. Ainda que mais precisas do que controladoras midi, não é tão precisa quanto a utilização das pickups.
b. Qualidade do som.

6) Micro-controladoras

Esta é sem dúvida a tecnologia mais nova de mixagem... a Tonium lançou um mp3 chamado Pacemaker que permite realizar mixagens na palma da mão. Apesar de maneirismo, esta controladora não possui recursos importantes como sincronismo automático de batidas ou samplers mas dá a liberdade do DJ mixar lá na pista, misturado com o público se ele utilizar um transmissor.

Claro que esta controladora não substitui outras tecnologias mas pode ser um recurso interessante para incrementar as festas. Existem outras empresas prometendo lançamentos de micro-controladoras. Por enquanto a única que tive notícias foi a Pacemaker que sai pela bagatela de R$ 2.500,00 em média.

----------------------------------------------------------------------
Agradeço ao autor Carlos D. pela gentileza de nos enviar este excelente post.
Compartilhar este artigo :