Cuidado com os ouvidos

som-alto1 Os profissionais de audio geralmente se esquecem de sua ferramenta mais importante, seu ouvido e desprezam tecnicas, proteções e cuidados com ele.
Uma doença muito comum em profissionais que trabalham com audio é o Tinnitus, e é facilmente detectado, curavel e prevensivel.
O que é Tinnitus?
Tinnitus pode ser descrito como um som parecido com campainhas no ouvido e outros barulhos dentro da cabeça que são percebidos na ausência de qualquer fonte de barulho externa. Nos Estados Unidos foi feito uma pesquisa em que 1 entre cada 5 pessoas experimentam algum grau de tinnitus. 



O Tinnitus é classificado em duas formas: objetivo e subjetivo.
Tinnitus objetivo
A forma mais rara, consiste em barulhos na cabeça audíveis até para outras pessoas, além do pessoa que esta sofrendo do mal . Os barulhos normalmente são causados por anomalias vasculares, contrações musculares repetitivas, ou defeitos estruturais no ouvido interno. Os sons ouvidos por quem sofre de Tinnitus, são gerados fora do sistema auditivo. Nesta forma de Tinnitus, um audiologista pode ouvir os ruídos na cabeça do paciente através de um estetoscópio. Causas benignas como, aberturas das trompas de eustáquio, ou contrações de musculares repetitivas podem ser a causa de Tinnitus objetivo. A pessoa que sofre de Tinnitus pode ouvir a pulsação do fluir da artéria carótida ou o ruído contínuo do fluxo venoso normal pela veia jugular quando em um ambiente tranquilo. Também pode ser um sintoma inicial do aumento da pressão intracraniana que é geralmente mascarado por outras anormalidades neurológicas. Os sons podem surgir de um fluxo turbulento gerado nas estruturas venosas comprimidas na base do cérebro.
Tinnitus subjetivo
Esta forma de tinnitus pode acontecer em qualquer parte do sistema auditivo e suas causas são muito menos compreedidas, o que tem gerado um grande debate. Qualquer parte do canal auditivo e sua ligações com o cérebro pode estar envolvido. Os sons podem variar de uma campainha metálica, zumbidos, sopros, rugidos, ou às vezes até semelhante um ruído de metais batendo, estouros, ou batida aleatórias. Pode ser acompanhado por perda auditiva condutiva ou neurosensorial, evidenciada em testes audiométricos. Outras situações e síndromes que podem ter o Tinnitus, como sintoma, são a otosclerose, a síndrome de Menière, e as lesões cocleares ou do nervo auditivo. Perda auditivas, hiperacusia, e problemas de equilíbrio podem ou não estar presentes em associação ao Tinnitus.
O que nós ouvimos ?
Muitos que sofrem de Tinnitus, relatam em grupos de discussão on-line que o som do Tinnitus, se parece o ruído de fundo emitido por alguns monitores de computador ou televisores. Outros informam que os ruídos se parecem com o assobiar do vapor de uma chaleira, água corrente, grilos, sinos, copos quebrando, ou até mesmo serras para metal. Alguns informam que o Tinnitus aumente temporariamente seu volume com movimentos bruscos da cabeça durante exercício aeróbicos, ou em cada sacolejo durante as passadas de uma corrida.
Quem sofre de Tinnitus objetivo podem ouvir o barulho rítmico apressado causado pelo próprio pulso, forma conhecida como Tinnitus pulsátil. Em um banco de dados de 1544 pacientes com Tinnitus, 79% caracterizaram o som como um tom intensidade média 7.5 (numa escala subjetiva de 1 a 10 onde 10 é o máximo). Os outros 21% caracterizaram o som como "ruído" com uma intensidade média de 5.5. Quando comparado a uma fonte de ruído externo, a intensidade média foi 7.5 dB acima do limiar auditivo. 68% de pacientes puderam ter o Tinnitus mascarado por sons 14 dB ou menos acima do limiar. A origem interna dos sons de Tinnitus foi percebida por 56% dos pacientes como estando presente em ambos os ouvidos, 24% em algum lugar dentro da cabeça, 11% no ouvido esquerdo, e 9% no ouvido direito.
Cuidados médicos
Formação de Cera e ou sujeiras no Canal Auditivo:
Se você estiver experimentando sintomas de Tinnitus, este é um das primeiras coisas para a qual você deveria checar. NUNCA tente introduzir, e/ou fazer qualquer tipo de sucção no canal auditivo ou pedir que o façam, isto só poderá ser feito por um médico habilitado caso seja necessário, lembre se que a automedicação pode causar sérios danos. Um grande número de medicamentos para lavagem estão disponíveis nas farmácias, que irão limpar o canal auditivo de uma maneira suave e segura. Mas antes converse com o seu médico.
Infeções graves no canal auditivo:
Muitos casos de Tinnitus acontecem logo depois de infeções sérias do ouvido. Mas o Tinnitus pode estar relacionado ao uso de antibióticos ototóxicos.
Alto nível de Colesterol no Sangue:
O alto nível de Colesterol no sangue entope as artérias que provêem oxigênio aos nervos do ouvido interno. Reduzindo seu nível de colesterol poderá reduzir seu Tinnitus.
Anormalidades vasculares:
As artérias podem ficar muito próximas das estruturas do ouvido interno ou do nervo auditivo. Isso às vezes é corrigido através de uma delicada cirurgia.
Stress:
O Stress não é uma causa direta de Tinnitus, mas geralmente fará um caso já existente piorar.
Dietas e Estilo de vida:
Como a tensão, uma dieta pobre pode piorar um caso existente de Tinnitus. Álcool, tabaco, cafeína, quinino/água tônica, bem como altos níveis de consumo de gordura e sódio podem causar uma piora no quadro de Tinnitus de algumas pessoas.
Hipertensão Intracraniana:
Hipertensão Intracraniana pode causar Tinnitus pulsátil. Se você pode parar o seu Tinnitus através de uma pequena pressão no pescoço no lado afetado, esta é uma indicação de que seu Tinnitus provavelmente pode ser causada por hipertensão. O modo definido anteriormente para descobrir a causa do Tinnitus simula uma leve obstrução na veia que alimenta o cérebro Consulte seu médico e peça para ele conferir se sua pressão de Abertura é mais alta que 200.
Drogas Otóxicas :
Muitos dos medicamentos podem causar Tinnitus e/ou perdas auditivas, que podem ser permanentes ou podem desaparecer quando o dosagem for reduzida ou eliminada. Antes de começar tratamento com qualquer medicamente, as pessoas que sofrem de Tinnitus deveriam perguntar sempre para o farmacêutico e/ou seu médico de confiança pelo potencial de efeitos colaterais ototóxicos. Estas drogas incluem; analgésicos a base salicilatos (doses mais altas de aspirina), sódio de naproxen (Naprosyn, Aleve), ibuprofen, muitos outro anti-inflammatorios não-esteroides, antibióticos de aminoglycosidos, anti-depressivos, diuréticos volta-inibidores, quinino/anti-malária, contraceptivos orais, e quimioterapia,.
Exposição a ruídos
Exposição excessiva à ruídos tais como: armas, artilharia, aeronaves, cortadores de grama, cinemas, shows, boates , construção pesada, etc, podem causar danos auditivos permanente. Algumas pessoas informam fadiga auditiva ao dirigirem automóveis por longas distâncias com as janelas abertas. Qualquer pessoa regularmente exposta a estas condições deveria considerar o uso de EarPlugs ou outro tipo de proteção auditiva.
Como eu posso Evitar Adquirir Tinnitus?
Evite as causas listadas acima. Realmente. A principal causa de Tinnitus é a exposição a ruídos excessivamente altos. Ou evite essas situações ruidosas, ou use proteção auditiva, como descrito abaixo. Concertos de rock, cinemas, boates, locais em construção, armas, ferramentas elétricas ou pneumáticas, fones ouvido e instrumentos musicais são algumas das coisas que podem ser perigosas para a sua audição. O dano pode ser o resultado de uma única exposição ou de trauma cumulativo. Há "Ouvidos sensíveis", e "resistentes"; o que pode gerar dano a um indivíduo, pode não causar dano a outro. Se você sempre experiência zumbidos temporários depois de uma exposição a sons VOCÊ ESTÁ TENDO UM SËRIO RISCO DE TER TINNITUS E/OU PERDA AUDITIVA. Se você já tiver Tinnitus, eduque sua família, amigos, e vizinhos de forma que eles possam manter a audição deles saudável.
O que fazer para proteger a sua audição?
Earplugs (ou protetores auditivos)
Usar earplugs é uma maneira de proteger sua audição contra lesões, bem como permitir que sua audição descanse sem estímulos externos. A faixa de atenuação pode variar conforme a freqüências: assim, se você é um músico ou técnico de som, você pode querer comparar preços de um earplug com resposta frequencial plana. Os dispositivos de proteção auditiva disponíveis no mercado tem seu Fatores de Redução de Ruído (NRRs) especificados pelos próprios fabricantes em condições ideais de laboratório e podem não refletir o desempenho real em situações do dia a dia. A maioria dos earplugs obtém uma média de 20dB de redução de ruído. Uma redução máxima de ruído (aproximadamente 50dB NRR) pode ser alcançado usando Earplugs em combinação com abafadores tipo concha, mas mesmo assim *algum* ruído será percebido por condução dos ossos do crânio em situações de volume extremamente altas. Os seguinte tipos de dispositivos de proteção auditiva estão disponíveis:
Earplugs moldavéis
Os moldáveis podem ser feitos em espuma, silicone, e cera e se ajustam ao canal auditivo. Por se ajustarem à forma do canal auditivo, estes são os melhores dispositivos de proteção de audição disponível hoje em dia, com NRRs que variam de 15-33dB. Com a vantagem de serem baratos, são facilmente encontrados em farmácias e lojas de material esportivo, e é reutilizável.
Earplugs Pessoais (Sob encomenda)
Este tipo de Earplug são feitos a partir de um molde tirado do canal auditivo do paciente isto deve ser feito por um profissional habilitado. O fator de redução de ruído obtido, varia de 27-29dB NRR, com o custo médio de US$ 30-70 nos Estados Unidos. (nota do tradutor: no Brasil ele é feito em empresas de aparelhos auditivos)
Earplugs com Filtro para Músicos
São uma variação dos Earplugs pessoais. que oferecem uma atenuação linear em uma larga faixa do espectro de freqüências. A atenuação sonora varia de 15-20dB NRR, e o custo médio é de US$ 50-150 nos EUA.
Cuidados com a audição
1º. Abafadores de ruído
Ruído, barulho, são os sons, quaisquer sons, que contrariamente aos demais, nos incomodam. A definição não é minha, mas do decano dos acústicos, Prof. Nepomuceno. O uso de abafadores por profissionais durante seu mistér, qualquer mistér, dentro do arquétipo de nossa cultura, é tido "como mais uma atitude de um profissional sistemático", um chato de galocha, um encrenqueiro ou, no mínimo, um bunda-mole que vai arrumar encrenca trabalhista com o patrão assim que puder. Há ainda a questão do orgulho, da vergonha pessoal e do machismo, todos eles tidos e havidos devido à nossa particular cultura latino-americana. Portanto, para não perder o emprego (ou a pose), ele se recusa a usá-los. O patrão, pelo seu lado, também divide a mesma ignorância com o primeiro, pagando-lhe um acréscimo salarial pífio, a título de insalubridade, exatamente como um cala a boca da sua consciência.
Se o ruído é parte integrante do nosso labor, cabe ao patrão não somente o fornecimento do melhor E.P.I (equipamento de proteção individual) e do acréscimo salarial (como impostos pela Lei), mas sim e antes de tudo, uma busca contínua da redução de ação deletéria da fonte, eliminando, como conseqüência direta do seu labor inteligente, a causa da necessidade do uso dos EPIs e do pertinente aporte salarial (o que os sindicatos, filhos-de-uma-boa-mãe-que-trabalha-na-horizontal, não aceitam, e mesmo desestimulam com ameaças tal iniciativa do empregador !!).
Se você notou que raros operadores de PA e estúdios se valem da tecnologia para manter uma perfeita audição na faixa dos seus 50/60 anos (quando sua experiência e cumulação técnico-cultural são máximas), então observe o que ocorre, por exemplo, nas situações mais corriqueiras do seu entorno, como aquela do motorista de táxi e de coletivos; das operadoras de telefonia/telemarketing; daquele que trabalha com cantaria e por aí vai... uma legião de futuros velhos(as) chatos(as), surdos(as), dependentes de próteses pagas com o dinheiro dos seus e dos meus impostos.
Os abafadores intra-aurais (in-ear earmuffs) são excelentes inclusive para ruídos impulsivos (como existem no universo do percursionista, por ex.) ou aqueles com forte atuação na parte superior do espectro (sintetizadores e metais, idem). Tipicamente, sendo do tamanho certo para o canal auditivo do usuário e, corretamente introduzidos, eles atenuam cerca de 25 dB SPL entre 2 e 4 KHz. Seu uso é indicado para os casos em que a fonte de ruído tem seu espectro basicamente centrado nestas oitavas e possui intensidade de até 85 dB(A). Apesar da forte atenuação, é notável como um trabalhador sadio rapidamente encontra seu ponto de equilíbrio, mantendo perfeita inteligibilidade do entendimento de instruções faladas e, com mais algumas horas de uso, até mesmo o nível da sua própria voz volta ao normal. Ele está protegido e perfeitamente integrado ao meio. Aqueles que usam este dispositivo no dia-a-dia, na falta de melhor expressão, o chamam de ar-condicionado-de-ouvido. É indescritível a sensação do profissional que, após a lavagem dos canais auditivos externos, se submete ao seu uso contínuo, dioturno, durante duas ou três semanas antes da avaliação (mensuração) anual da sua acuidade auditiva. Quando retirados, durante aqueles primeiros instantes que se sucedem ao ato, a percepção ampliada do entorno, lembra uma viagem, dizem os mais experientes. Seja o aumento da percepção auditiva, seja a dura realidade das horas seguintes, apenas reforçam a noção do quanto de agressão continuamente nossos ouvidos sofrem entra dia, sai dia. Após tal experiência, você se tornará mais um convertido, como eu em minha própria época.
Níveis no entorno acima de 85 dB(A), que seguramente são o nosso caso, necessitam de mais cuidados. A atenuação deve ser imposta utilizando-se os abafadores in-ear + circunaural. Aquele intra-aural deve necessariamente ser do tipo moldável (bem colocado, atenuação típica de 23 dB SPL) contendo uma película de silicone envolvendo a massa moldável. Podem ser reutilizados e re-higienizados indefinidamente e sua durabilidade se aproxima dos 20 anos. Aqueles circunaurais são encontrados em diversas apresentações, entre as quais a mais comum e burra é aquela que exerce forte pressão sobre a caixa craniana. Corretamente, a estanqueidade deve ser obtida pelo uso de uma fina película moldável, cheia de líqüido, amigavelmente aplicada sobre a caixa craniana e as hastes do um eventual óculos.
A KOSS no passado introduziu o conceito da almofada com fluído de silicone no seu interior (na sua arqui-famosa e saudosa série KOSS PRO4), mas ela não está no negócio de atenuadores. Excelentes sucedâneos podem ser encontrados junto à BOSE - http://www.bose.com/products/aviation/military/benefits.html , com seu produto de atenuação ativa, ou a DAVID-CLARCK - http://www.davidclark.com , com seus artefatos passivos (ambos habitualmente fornecem para as forças armadas usanianas e para a aviação civil de asas rotativas e fixas).
Bem colocados sobre nossas cabeças, um produto brasileiro (temerariamente classificado como) de tipo similar àqueles atenua entre 12 e 18 dB SPL (não acreditem nos prospectos técnicos fornecidos, eles são feitos para acalmar a consciência daqueles que acreditam em fábulas; o papel aceita tudo !).
E antes que você me pergunte, eu lhe digo que sim, as atenuações se somam algebricamente: 23 + 15 = 38 dB SPL de atenuação, que não é muito em uma posição do palco onde o músico continuamente é submetido a um banho de 120 dB(A). Por outro lado, cabe ao acústico prescrever o uso de abafadores que, operando em tandem, apresentem ação complementar (não valendo os 38 dB SPL, portanto) ou não (agora valendo). Cada caso é um caso e o profissional deve entender a natureza do uso destas próteses exatamente como encararia aquela de um óculos prescrito por um oculista.
2º. Fonte sonora
O sistema auditivo é extremamente sensível ao ruído impulsivo e como ato reflexo, uma auto-proteção, num primeiro momento ele instantaneamente endurece, diminuindo sua sensibilidade por um período que varia desde algumas horas até dias. A perda da sensibilidade (parece que eu fiquei um pouco surdo, mas agora já passou, estou bem... ) é indicativo seguro de comportamento pós-traumático, isto é, pós lesão auditiva, que, desafortunadamente no presente estado-da-arte, é cumulativa e irreversível. Os EPIs existem para os casos sem outra solução imediata e certamente de óbvia necessidade.
O que o profissional que depende do ouvido precisa entender é que o assédio aos seus ouvidos também advém continuamente de fontes mais comuns e absolutamente insuspeitas quanto à capacidade de lesão, tais como: os esportes ditos radicais e marciais; a prática do ski aquático e mesmo daquele de neve; a motocicleta; o mergulho com ou sem equipamento de sustentação de vida; os humildes telefones celulares e de fio; os automóveis e coletivos de interior barulhento [um veículo barulhento por projeto, mesmo em bom estado, tem ruído interno entre 75 e 100 dB(A), dependendo da velocidade, do piso e marchas utilizadas! Praticamente todos os veículos esportivos ou de baixo custo aqui produzidos se enquadram nesta categoria]; além dos onipresentes assassinos de sempre os fones de ouvido, apenas para citar as mais comuns.
Outra importante fonte de risco gratuito são as drogas oto-tóxicas, presentes no cigarro, na aspirina e nos antibióticos (drogas à base de quinino, por exemplo, com quatro anos de consumo contínuo geram um indivíduo clinicamente surdo, como tive a triste oportunidade de conferir). Em alguns cruzamentos desta cidade (falo de São Paulo) apresentam acréscimos no ruído (o roarr, ou ruído residual de tráfego, se assemelha a um pink noise com reforço de graves e filtragem adicional nos agudos) de cerca de 2 dB(A)/ano, ano após ano!
No palco, é necessário se ter a percepção de que um músico não escuta o outro como consequência direta do barulho que geram contra si, para o qual, até certo limite, o ouvido responde com uma perda momentânea da sensibilidade. Aí, o cara pede um retorno mais alto, que por sua vez interfere no companheiro mais próximo que vai se queixar com o cara do som... fechando o círculo vicioso. Na Inglaterra, onde a surdez de toda uma geração de jovens se tornou um problema endêmico, em qualquer ponto de um ambiente fechado onde música seja executada, por lei, o limite legal é 85 dB(A). Na Suécia, por outro lado, assim como no Brasil e EUA, podem ser medidos níveis constantes de 120 dB(A) sem que a lei seja infringida, o que é um contra-senso perante as Leis Trabalhistas que limitam o barulho a 85 dB(A)!
Músicos e público deveriam estabelecer centros de diversão user friendly, politica e ecologicamente corretos, onde, em nome da nascente Ecologia Urbana, a música possa ser apreciada em níveis não lesivos, aliás como sempre se fez até o fim do primeiro quarto da década de sessenta.
3º. Percepção de ruídos estranhos.
Não é verdade que apenas indivíduos com Tinnitus Objetivo escutem ruídos orgânicos; indivíduos sadios também têm esta faculdade. Assim que se reduz o nível do ruído residual para abaixo da fronteira dos 27 dB(A), embora o instrumento de medição possa descer ainda mais (existem instrumentos que alcançam, consistentemente, leituras de até mesmo 8 dB FLAT), de maneira diretamente proporcional começam a serem ouvidos ruídos misteriosos como o ruído browniano das células do nosso corpo, e das batidas do coração e da própria circulação do sangue pelos vasos próximos ao sistema auditivo. Esta não é uma situação agradável. Habitualmente causa pânico ou forte depressão aos menos avisados e que, se continuada por longos períodos, leva a complexos desajustes de comportamento social [no Canadá e Índia, existem extensos relatos de pessoas comuns e antes saudáveis que simplesmente enlouqueceram com a associação de silêncio (Canadá) ou barulho (Índia) com o isolamento social]. Nesta nossa evolução a partir de seres organicamente inferiores, não foram previstas tanto a situação de barulho como silêncio extremos. Ambas situações são não-naturais.
4º Quão sensível é um ouvido sadio?
Consistentemente, em um ambiente de 27 dB(A), observei a audição claríssima (a metro e meio) do vibrar do pequenino filamento de uma lâmpada halógena de 100 watts governada por um dimmer comum. Outro exemplo que causa absoluta perplexidade em muitos é a audição do ruído gerado pelo funcionamento da CPU das antigas calculadoras científicas de mão (especificamente, as Texas 51 e 51-II). O fator que limita uma audição mais clara destes e outros fenômenos físicos que nos rodeiam nesta e abaixo da fronteira do nível residual de 27 dB(A) é justamente o fato de também serem mais claramente audíveis os nossos próprios ruídos orgânicos.
Alguém que me lê, após este ponto, poderia questionar com razão da validade em se perseguir níveis residuais para estúdios abaixo dos 25 dB SPL. Sob um residual de 15 dB SPL não somente ruídos mecânicos espúrios serão claramente audíveis (e captados pelo microfone) mas também o serão ruídos orgânicos do próprio interprete (em pianíssimo, além dos sons acústicos, também passam a serem audíveis a respiração do artista, bem como aqueloutros oriundos do funcionamento do seu estômago e intestinos que, se a Lei de Murphy valer, coexistirão em determinadas situações). Estúdios realmente silenciosos necessitam não somente de melhores microfones, mas também de um refinamento das atuais técnicas de seu posicionamento.
É extremamente saudável o surgimento de uma consciência coletiva (entre os profissionais desta nossa área) sobre a ação do ruído sobre as limitações físicas deste extraordinário órgão sensorial que são nossos ouvidos. Público, produtores e agentes deveriam, pelo seu lado, também entender que músicos e demais profissionais que gravitam neste entorno, como quaisquer outros trabalhadores, querem e precisam ter uma extensa e profícua carreira. Antes do Tinnitus, há a ocorrência da Surdez Profissional -ainda hoje absolutamente comum entre assalariados- cujo sofrimento e prejuízos induzidos podem ser potencializados pelo acréscimo do Tinnitus. O que já era um drama torna-se uma cruz inesquecível 24 horas/dia, todo dia, entra ano sai ano, até a morte do infeliz (é altíssima a ocorrência de suicídios durante as crises de depressão induzidas pelo Tinnitus).
Espero que dentre aqueles que leram estas notas ninguém apresente deficiência auditiva induzida pelo exercício de suas atividades profissionais e que, para todos os sadios, não custa lembrar, firmemente recomendo a Acupuntura como ferramenta adicional -além da observância de todas aquelas recomendações descritas aqui e no artigo "Tinnitus", nesse site- para a contínua manutenção deste estado saudável que é a audição plena, por um período de tempo que adentre pela terceira idade.
P.S.: O ruído é parte integrante do universo do músico e daqueloutros profissionais que gravitam no seu entorno e que fazem ser possível a existência da indústria do entretenimento como ela é. Uma visão técnica e desapaixonada deste problema é possível, é viável, e deve começar no íntimo de cada um de nós. Contrariamente ao que lerá adiante sobre valores normatizados, é necessário entender que você é um ser sem igual em todo o universo; existem pessoas parecidas, mas nunca iguais a você. Assim, embora existam valores normalizados em diferentes legislações de diferentes paises, elas se referem tão e somente à média das pessoas. Para você...
Aquilo que realmente interessa é exatamente como seu particular organismo reage a um stress sônico. Delimite seus próprios parâmetros para aquilo que lhe é ou não permitido pelo seu próprio organismo. esta é a sua lei, a única que organicamente deverá obedecer, por toda a sua vida.

Artigo enviado pelo DJ Caco
Compartilhar este artigo :